AUDIENCIA BH2811.jpg

Assembleia Legislativa de Minas Gerais debate importância dos bancos públicos

28/11/17 09:16 /

O Sindicato dos Bancários de Belo Horizonte promoveu, nesta segunda-feira (27), audiência pública para discutir as ameaças do governo Temer aos bancos públicos e demais estatais. A iniciativa,  que contou com o apoio do deputado estadual André Quintão (PT), reforça o compromisso da entidade com a defesa da categoria, das políticas sociais e do patrimônio de todos os brasileiros, já que a mobilização dos bancários e de toda a sociedade é fundamental para impedir o desmonte de instituições históricas como a Caixa e o Banco do Brasil, que têm importante papel no desenvolvimento econômico e social do Brasil.

A Fenae foi representada na audiência pelo vice-presidente, Sergio Takemoto, e pela diretora e coordenadora do Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas e representante dos empregados no Conselho de Administração da Caixa, Rita Serrano.

A mesa de debates contou ainda com a participação do deputado André Quintão, da presidenta do Sindicato dos Bancários de BH, Eliana Brasil; da presidenta da Fetrafi-MG/CUT, Magaly Fagundes; da presidenta da CUT-MG, Beatriz Cerqueira; da diretora do Sindicato e representante de Minas Gerais na Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil, Luciana Bagno, e do vereador Pedro Patrus (PT). A audiência teve ainda a presença de bancários de base e de representantes de movimentos ligados às moradias populares.

Durante os debates, foram apresentados dados que mostram a importância dos bancos públicos nas mais variadas esferas do país, como a agricultura familiar, infraestrutura, saneamento, financiamentos habitacionais, financiamento estudantil, FGTS, entre vários outros. Todas estas políticas públicas essenciais para o desenvolvimento do Brasil estão sob ameaça com a implantação da política neoliberal e entreguista do governo golpista de Temer.

 “Hoje, o que vemos é a diminuição dos investimentos e um governo que vem implantando políticas que visam beneficiar apenas aqueles que já são ricos. A Caixa e o Banco do Brasil, assim como as outras empresas e bancos públicos, são essenciais para que o Brasil cresça com melhor distribuição de renda, mais justiça social e mais igualdade. Nossa luta permanente é em defesa dos brasileiros e brasileiras, que sofrerão mais um grave golpe caso nossas estatais sejam privatizadas”, afirmou Eliana Brasil.

O vice-presidente da Fenae lembra que envolver a sociedade na defesa da Caixa é fundamental. “Foi por isso que lançamos a campanha ‘Defenda a Caixa você também’, que tomou conta do país e estamos realizando audiências públicas em câmaras municipais e assembleias legislativas. Intensificaremos a mobilização para barrar a abertura de capital”, disse Sergio Takemoto.

“Estamos no caminho certo. Há manifestações pipocando pelo País todo. Vamos vencer a batalha para que a Caixa não vire uma empresa S/A, e isso nos impulsionará a novas conquistas contra esse governo privatista”, destaca Rita Serrano.

Em Minas Gerais, um novo debate será promovido nesta quarta-feira(29), na  Câmara Municipal de Divinópolis.